6 de fevereiro de 2011

Escola proíbe alunos de levar lápis - Revista Superinteressante





Estava navegando em um Site de notícias, quando deparei com "Escola proíbe alunos de levar lápis"... Chocada, fui verificar. O link era propaganda de uma revista e continha apenas um parágrafo da matéria, mas o assunto me intrigou: - Que mundo é este que estamos construindo? 
Penso que o problema não é a proibição, mas sim o que se pretende camuflar com ela, porque "o lápis" é somente mais um instrumento da negligência com que é tratada a Educação. 
Faz tempo que estamos neste "jogo de empurra"... 
A Família empurra a educação dos filhos para a Escola, a Escola empurra sua responsabilidade para o Estado, o Estado se apoia na dificuldade de fazer cumprir as Leis e assim caminhamos até chegar no lápis... 
Que seja proibido o uso "livre" dos lápis e amanhã, talvez, teremos que amputar braços e pernas para conter a violência! 
"Educação se aprende em casa". Eu acredito nisso, pois foi a minha educação... Minha mãe dizia em alto e bom tom: - "Não me faça ter que ir na escola por falta de educação"! 
Era um simples aviso que me mantinha longe de problemas, dentro e fora de casa e da escola! Repressão? Não... Limite! 
Um lugar real que determina nossos direitos e deveres... Lugar comum que ensina o relacionar para sobreviver, onde a liberdade está na escolha de dar o melhor de si para ser o melhor que se pode ser...
"Ser o melhor que se pode ser" não tem dado "ibope" no mundo do "ter o melhor que se pode ter"... 
Dinheiro, fama, poder... E cada vez mais estamos distantes do direito ao respeito, a dignidade, a humanidade... 
Tamanha é a falta de limites que vivemos em busca de limites. Teorias e teóricos encontra-se aos montes e nenhum deles fará os devidos "milagres" sem uma certa dose de "penitência"... É preciso um trabalho interno constante  de revisão de valores, porque educar exige responsabilidade, dedicação, compromisso, determinação... 
Tudo que as "Nannys" ensinam em seus reality shows.
A senhora minha mãe não tinha títulos em Educação, mas sabia exatamente qual era o seu papel e deixava clara a sua função. 
Sempre ensinou que o bem e o mal é uma escolha, porém o uso desta capacidade fiz somente agora que sou a responsável exclusiva por minha vida... Não que não soubesse escolher quando criança... Sabia, mas de forma desorientada, equivocada e ela sempre estava lá, pronta para colocar ordem e orientar o rumo da caminhada... 
Hoje caminho com meus próprios pés e tenho nos meus passos ensinamentos preciosos que valem mais do que qualquer gosto ou mimo que me tenha faltado. 
Todo SIM é apenas uma possibilidade, mas é o NÃO que realmente nos orienta na busca de realizações. 
Não adianta simplesmente tirar o lápis... É preciso deixar clara a sua função...

3 de fevereiro de 2011

Salam Aleikum... se puder!!!



Faz 10 dias que o Egito luta contra os 30 anos de ditadura de Mubarak... 30 anos de repressão a um povo muito paciente... Sim, porque 30 anos é muito tempo... 
Nem casamento falido dura mais tanto tempo nos nossos tempos!!! 
E como paciência também tem limite, a Praça Tahri está tomada por manifestantes exigindo o que é seu por direito, ou seja, o "Direito"... 


Direito de ir e vir, o direito a liberdade de expressão e ação... O direito de recusar, de aprovar, de escolher... O direito de ser humano...

Na planície fértil do Nilo, o homem desenvolveu uma sociedade sofisticada e centralizada: o Egito, marco da civilização humana graças ao seu precioso legado: Técnicas de construção, o sistema matemático,  a medicina, sistemas e técnicas de irrigação e de produção agrícola, os primeiros navios, o vidro, a literatura e o mais antigo tratado de paz conhecido... 
E hoje, o Egito nos dá, mais uma vez, uma grande lição de força e coragem no  combate a uma política repressora e corrupta. 



Em 6 de Abril de 2008, o governo egípcio reprimiu uma greve realizada por operários têxteis na cidade industrial de Mahalla. Indignados, um grupo de jovens ativistas, conectados através do Facebook e de outras redes sociais, formaram o Movimento Juvenil 6 de Abril em solidariedade aos grevistas. 


Os protestos iniciaram por meio de uma  rede on-line descentralizada, seguida por outras adeptas ao movimento - iguais as que impulsionaram a revolução da Tunísia - e esta manifestação virtual dificultou o trabalho da Força de Segurança Egípcia na identificação de sua oposição. 

Foi um verdadeiro grito de guerra on-line, contra a tirania e tortura que assola o país por 30 anos. 


ElBaradei, crítico de prestígio internacional e opositor  ao governo de Mubarak, ficou chocado com conceito de estabilidade dado pela secretária de Estado dos Estados Unidos, Hillary Rodham Clinton. Em um comunicado, após os primeiros confrontos, ela pediu moderação e descreveu o governo egípcio como "estável" e “ interessado em atender às necessidades legítimas do povo egípcio".

"'Estabilidade' é uma palavra muito perniciosa". "Estabilidade à custa de 30 anos de lei marcial e eleições fradulentas?" disse ElBaradei.

Mais uma vez, o inovador e audacioso povo egípcio chama a atenção do mundo para a fragilidade de sua democracia... Sim, porque o Egito tornou-se uma República em 1953 e Mubarak é o chefe do Partido Democrático Nacional no poder desde 1981... (pasmem!!!) 



"Al Hamdu Lellah" (graças a Deus), estamos no Brasil... 
Abençoado e bonito por natureza... 
País do futebol, do samba, do carnaval... Das mais belas praias, do bumbum perfeito... Das mulatas, loiras, ruivas... Do povo alegre, festivo e acolhedor... 


São tantas coisas boas que o mal pouco se vê por aqui... Mas não porque não esteja as vistas e sim porque se camufla num falso ideal de nação democrática!!! 


Os governantes de hoje, são os mesmos que governaram ontem e os que virão amanhã, já estão com suas cadeiras cativas... Nos nossos órgãos legislativos...


O sagrado e obrigatório voto brasileiro lhe confere o direito de escolha... 
Mas não é bem assim... Geralmente, o rótulo do produto, vendido nas alienantes e fatigantes propagandas eleitorais gratuitas, não especifica todo o seu conteúdo... 
Temos apenas uma visão périférica, estrategicamente articulada para nos iludir e ludibriar e é somente na posse que nos deparamos com a verdadeira verdade daquilo que se pretende ser...


Você vota para presidente, mas não tem o direito de escolher ministros e presidentes para o Senado e para a Câmara dos Deputados... 
É neste momento que se constata a falência da nossa Democracia, pois interesses de grupos específicos e restritos, denominados coligações, passam a reger, em próprio proveito, aquilo que seria para o bem geral da nação... 


E o meu voto, fica como? 


Fica no descaso com a saúde, com a educação, com o saneamento básico, na falta de emprego, no salário mínimo miserável, na falta de segurança... Em uma interminável lista de abusos que são realizados com o dinheiro público!!!


Os Egípcios foram as ruas lutar por seus direitos reprimidos por 30 anos e nós brasileiros, vamos aceitar, mais uma vez, a reeleição de José Sarney para presidente do Senado? 





Está será a 4ª vez que ele ocupará, vai ocupar e já ocupa, o cargo... 
Um monopólio de 16 anos...
Quantos anos precisaremos para nos libertarmos da nossa ignorância política e fazermos valer realmente os nossos direitos? 30?


"Salam Aleikum" (que a paz esteja com você) pobre povo brasileiro, que não desiste nunca...